A Eira

eira-3a.jpg 

Alvor da Lua nas eiras,

Nem linhos de fiandeiras,

Nem véus de noivas ou freiras,

Nem rendas das ondas do mar!…

Sobre espigas d’oiro bailam ceifeiras,

Na alegria argêntea do clarão do luar!…  

Ai medas de prata e oiro,

De lua branca e pão loiro,

Malhadas no malhadoiro,

A enfeitiçar e a fulgir! 

Oh, bailai à volta desse bom tesoiro,

Que é a côdea negra que ceais a rir!… 

Quem nas ladeiras e prados,

Com as lanças dos arados,

Abriu sulcos e valado,  

Na terra gélida e nua? 

Oh, bailai à volta desses bois deitados,  

Que estão d’olhos tristes  adorando a Lua! … (…) 

Guerra Junqueiro, Os Simples, 1891

Hoje um espaço tranquilo, onde a luz do fim da tarde convida a momentos de sernidade e paz, foi em tempos um espaço de trabalho árduo para homens, mulheres e juntas de bois;  no final das colheitas, cantava-se e dançava-se para celebrar mais um ano de celeiro cheio.

Anúncios

Etiquetas: ,

Uma resposta to “A Eira”

  1. reinaldo Says:

    Nunca mais esqueço a sensação de aí chegar ….. O recuar nos anos …. Uma casa de princesa, quartos minimos, no entanto com tudo tudo quanto de bonitos se pode imaginar.
    Bom Natal Ano de 2008 com tudo quanto deseje
    Com amizade bjinhos
    Reinaldo Coelho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: